web analytics
Fundos de Investimento

Como declarar fundos de investimento no IRS

O que são fundos de investimento

Os fundos de investimento constituem produtos financeiros através dos quais um investidor cede o seu capital a uma equipa de gestão que procurará rentabilizá-lo da melhor forma possível (de acordo com a política de investimento do fundo). Estes podem constituir uma excelente opção no âmbito de uma carteira diversificada.

O potencial de ganho de um fundo de investimento é, regra geral, superior a produtos de poupança mais conhecidos dos Portugueses como sendo depósitos a prazo e certificados de aforro. No entanto, trata-se de um tipo de investimento normalmente sem garantia de capital.

Tributação Autónoma Vs. Englobamento

As mais-valias resultantes da compra/venda de unidades de participação de fundos de investimento podem ser tributadas de duas formas distintas:

  • Tributação Autónoma – ao seu rendimento será aplicada uma taxa única que no caso dos fundos de investimento é de 28%;
  • Englobamento – as suas mais-valias serão adicionadas aos restantes rendimentos que obteve no ano (por exemplo o seu salário) e será aplicada uma taxa consoante o escalão em que o montante total dos seus rendimentos se situar.

De referir que a tributação é aplicável à diferença entre o preço de compra e o preço de venda das unidades de participação do fundo. Vejamos um exemplo:

  • No dia 23 de Agosto de 2019 um investidor adquiriu 10 unidades de participação do fundo Optimize Europa Valor com o valor de  € 1251,90 cada;
  • No dia 2 de Dezembro do mesmo ano, resolve vender a totalidade das unidades de participação ao valor de € 1313,62.
Cálculo da mais-valia
(10 x 1313,62) – (10 x 1251,90) = € 617,20

Posteriormente, a este valor seria aplicada a taxa de 28% no caso da tributação autónoma. Na situação de preferir a opção de englobamento dos seus rendimentos, será aplicada a taxa referente ao seu escalão de IRS. Se não sabe qual é a forma mais vantajosa para si, poderá simular as duas opções na sua declaração de IRS e concluir qual a que lhe permite pagar menos impostos.

Saiba ainda que a tributação autónoma é o regime aplicado por defeito, portanto se desejar avançar com a opção do englobamento terá de dar conhecimento à Autoridade Tributária. De referir ainda que, no caso dos fundos nacionais, existe retenção na fonte, pelo que não é necessário declarar os fundos de investimento no IRS.

Anexos e Quadros a preencher na declaração de IRS

Começamos por reforçar que caso os rendimentos sejam provenientes de fundos nacionais e pretenda optar pela tributação autónoma, não é necessário declarar os fundos de investimento no IRS. Estes já terão sido alvo de retenção na fonte por parte da instituição financeira que processou a venda das unidades de participação.

Por outro lado, caso o contribuinte deseje optar pelo englobamento, então será necessário incluir os ganhos obtidos com fundos no Quadro 10 do Anexo G com o código G31.

Clique na imagem para ampliar

Caso tenha obtido dividendos provenientes do investimento em fundos, saiba que os mesmos também respeitam as condições de tributação acima mencionadas. Por defeito será retido na fonte 28% dos mesmos e não será necessário declará-los no IRS. Por outro lado, se optar pelo englobamento, terá de preencher o Quadro 4B do Anexo E com o código E31.

Clique na imagem para ampliar

Na tabela seguinte apresentamos um resumo da informação exposta acima:

Tributação autónomaEnglobamento
Dividendos                   (Fundos nacionais)Retenção na fonte de 28%. Não necessita declarar no IRS.Taxa de acordo com o seu escalão de IRS. Necessita declarar no Anexo G, quadro 10, com o código G31.
Venda de Unidades de Participação                    (Fundos nacionais)Retenção na fonte de 28%. Não necessita declarar no IRS.Taxa de acordo com o seu escalão de IRS. Necessita declarar no Anexo E, Quadro 4B, com o código E31.

Assim, deverá ter em conta que poderá não ser necessário declarar os fundos de investimento no IRS. Na situação de se tratar de fundos nacionais já é efetuada retenção na fonte, pelo que o imposto respetivo já se encontra liquidado. Apenas na situação de preferir optar pelo englobamento dos rendimentos obtidos com fundos, deverá incluir os mesmos na sua declaração de IRS.